a flor do sol é simbólica e representa sucesso e felicidade. além da beleza e imponência, do girassol tudo é aproveitado: flor, semente e ramos. é exótica e nunca olha pra trás, exibindo uma intrigante rotação, sempre voltada para o sol.
Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
23
Out
09

li essa frase no discurso que o professor Edmundo Ferraz fez para o colégio brasileiro de cirurgiões esse ano, ela é de um pediatra que também disse: as emergências são as vitrines do SUS. Penso que os médicos são obrigados a deixar a qualidade de lado para dar prioridade a velocidade porque não há 5 pacientes, mas 50. Desses tantos, alguns precisam de, somente, atenção e não recebem; muitos não tem dinheiro para remédios, deles depende a sua cura, mas estão faltando no SUS; um ou outro não tem nada; muitos deveriam estar internados, mas não tem leito, tem corredor, tem chão, tem abandono; e todos são seres humanos como eu e você, mas não são respeitados e tratados como tal.

Dentro de todo esse cenário da emergência está o estudante que aos poucos vai aceitando aquilo como verdade e aprendendo a sobreviver em meio à guerra pela sobrevivencia.

Se atravessarmos a rua em frente ao HR e irmos ao Santa Joana, Memorial São José, Esperança, enfim, para o 'particular' encontraremos a emergência limpa, de mármore, ar condicionado e leitos e mais leitos à espera da minoria com dinheiro no nosso país.

E todos os dias todos dormem, felizes e tranquilos por viverem nessa infeliz desigualdade.

Engraçado foi um dia em que eu entrei numa grande emergência pública daqui de PE e encontrei um paciente na maca, cercado pelos médicos e por seus filhos engravatados, a família estava numa festa e o pai sofrera um TCE. Um dos filhos sendo médico, fez questão de levá-lo para o lugar que eu estava pois sabia que ali seu pai (com plano de saúde) estava em boas mãos, porém em precárias condições.

Não vejo tanta urgência em melhorar a educação médica, mas as condições dos hospitais, das policlinicas, dos postos. Afinal, naqueles livrinhos que os planos de saúde disponibilizam com os nomes e as especialidades dos 'seus' médicos estão QUASE TODOS os meus professores do Hospital da Clínicas e de tantos outros hospitais públicos.

 

publicado por mariliaburegio às 08:08
29
Mar
09

medicina, pra mim, se enquadra naqueles termos que não se discutem como política e religião, ou melhor, se discutem tanto, que não há consenso entre as partes, quase nunca. os mais diversos pontos de vista sempre existirão, mas acredito que todos eles devam convergir para duas coisas essenciais: qualidade de trabalho para os médicos e disponibilidade de todos os recursos necessários para o tratamento e manutenção da saúde dos nossos pacientes. nós trabalhamos satisfeitos e a população é bem assistida. é dever nosso, direito de vocês. - sem comentários mais! mas o que o sus proporciona está muito longe disso: a precariedade do serviço não possibilita o médico de atender de forma plena - faltam medicações, leitos, blocos, materiais... fica parecendo que é culpa nossa, que é má-vontade, que agimos assim porque é um hospital público, no privado somos completamente diferente... a dor leva o paciente (que não está mais paciente) a perder a calma, insultar, se desesperar... acaba-se o respeito à nós profissionais que de mãos atadas vemos a banalização da medicina acontecer. certos profissionais se aproveitam das fragilidades do sistema para se acomodarem, uns já eram isentos de ética muito antes de se formarem doutores, outros vão perdendo os sonhos aos pouquinhos e alguns que permanecem com seus ideais vivos até o fim devem sentir algum grau de decepção no 'fim' ou desenvolvem úlceras de estresse ou problemas cardiovasculares =D começo pela metade do meu curso, estou no sexto período da faculdade de medicina da universidade federal de pernambuco, me sentindo cada vez mais atuante na minha prática médica (saindo dos bastidores e atuando como codjuvante, ainda) e cada vez mais certa  da minha escolha. desejo relatar minhas experiências como estudante, depois como médica e principalmente como uma cidadã que acredita na melhoria, que se pode fazer justiça com o que cada um tem nas mãos... mas há muitos limites, afinal, 'Médicos são homens que prescrevem remédios que eles conhecem pouco, para curar doenças que eles conhecem menos ainda, em seres humanos que eles não conhecem nada.' (Voltaire) não é verdade?

publicado por mariliaburegio às 04:02
sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO